IMPACTO ECONÔMICO NO TRANSPORTE COLETIVO

Imprimir

As empresas que operam o transporte coletivo urbano quase nunca são auto-suficientes, isto é, a receita gerada com a entrada de passagens e taxas de propaganda, não é suficiente para cobrir as despesas com folha de pagamento, manutenção e combustível.

A Companhia do Metrô de São Paulo, por exemplo, teve no ano fiscal de 2003 um prejuízo de aproximadamente 350 milhões de reais.

 

O restante da verba necessária para cobrir as despesas do sistema precisa ser pesadamente subsidiado pelo Município ou Estado, gerando um financiamento muito caro aos cofres da cidade e/ou estado que causa frequente querelas públicas e grande debate político.

 

Mesmo assim, muitas cidades observam que novos sistemas de transporte coletivo urbano possuem benefícios econômicos substanciais, provocando o desenvolvimento sócio econômico da região e, inclusive, com aumento no valor do metro quadrado de terra da região.

Com um sistema de transporte coletivo bem planejado como a ferrovia, aparentemente tem um impacto maior de credibilidade por ser um sistema fixo dando a nítida impressão que a construção desse tipo de transporte significa assumir um objetivo em longo prazo providenciando o deslocamento de pessoas a localidades específicas.

O planejamento e a eficiência nesses casos é elemento crucial para o desenvolvimento da região abrangida pelo sistema maximizando os benefícios econômicos e ambientais do investimento público incentivando um maior desenvolvimento dentro do raio de ação do sistema implantado.

A eficiência e outros atrativos desenvolvimentistas fazem a alegria dos urbanistas, já os do poder público alegam que esse tipo de serviço é ineficiente, não é prático e geram altos custos de construção e manutenção exatamente por gerar altos valores em subsídios, valores estes muitas vezes inexistentes nos cofres públicos.

Poucos municípios tem a habilidade de abrir concessões para um operador de transporte coletivo urbano privado para o desenvolvimento da região com uma errada ideia de que isto atrairá elementos indesejáveis e bandidagem por causa do avanço socioeconômico que necessariamente esse serviço trará para a região.

As pessoas contrárias ao transporte coletivo alegam que o custo da construção e manutenção de um quilômetro de metrô, por exemplo, superam em muito o valor do quilômetro construído de vias expressas urbanas, embora não desloquem o mesmo número de pessoas. Aqueles que propõem o transporte coletivo contestam veementemente os dados anteriormente citados.

Por causa do advento chamado congestionamento de trânsito, mais e mais pessoas nos Estados Unidos têm optado pelo transporte coletivo, um aumento de aproximadamente 21,0% que representa mais que o aumento de veículos novos colocados no mercado no mesmo período e excluindo aqueles que utilizam o transporte aéreo.

Vários estados americanos que eram contrários ao transporte coletivo e a favor de vias expressas urbanas já estão investindo maciçamente na melhoria do transporte coletivo urbano. Exemplo: Colorado e Utah.

O impacto econômico por onde passa um transporte coletivo eficiente, planejado e moderno é visível. O comércio no entorno das estações revigoram e o metro quadrado do solo quase que triplica de valor principalmente nos bairros mais distantes, trazendo assim, um alento aos que ali se estabeleceram para morar ou instalar seu ponto comercial.

Embora haja contradições, a verdade é que a tendência mundial é que o transporte coletivo urbano se modernize cada vez mais com eficiência e tecnologia avançada, fazendo com que mais e mais usuários deixem seus automóveis em casa para utilizar o coletivo, mesmo em ritmo lento.

www.naganuma.com.br

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

twitter - @mtnaganuma