Naganuma - Advocacia e Consultoria em Trânsito e Transporte Público

JA slide show
Erro
  • XML Parsing Error at 1:191. Error 9: Invalid character
  • XML Parsing Error at 1:102. Error 9: Invalid character

Jornal A Gazeta do Acre



A EXPANSO DO TRANSPORTE COLETIVO

E-mail Imprimir PDF

28/11/2015 o Dia: do Soldado Desconhecido, Internacional do Ministrio Pblico, de So Tiago de Marca, Mundial de Ao de Graas, Black Friday.

Encontramos dificuldades em reorganizar ou organizar a segregao espacial principalmente nos grandes centros por causa do ritmo acelerado e desordenado da aglomerao urbana, o que causa o descompasso do acompanhamento das medidas necessrias para atender a demanda, principalmente no que se refere ao transporte coletivo.


A escassez crnica de infraestrutura que caracteriza o processo de urbanizao brasileira levou situao atual, em que perdura a diviso da aglomerao metropolitana (Norte-Sul-Leste-Oeste) que onde esto localizados os grandes bairros.

Essa diviso mal conectada por estruturas conhecidas como espinha de peixe carregando uma nica via de acesso do grande bairro para o centro. Como exemplo, a Zona Leste de So Paulo que atualmente conta com seis milhes (6.000.000) de habitantes, e tem como principal acesso a Radial Leste para a rea central com precrias ligaes Norte-Sul e zona Oeste.

As demais regies seguem o mesmo padro escasso que, fatalmente resultam numa forte diferenciao de localizao que reflete diretamente na estrutura de preo da segregao espacial (preo do solo e aluguis).

Apesar da queda do ritmo de crescimento, diversificao da estrutura urbana, reverso das tendncias do ritmo acelerado de crescimento, o efeito disso tudo ainda est por se revelar. Por enquanto, os grandes bairros continuam sendo considerados cidade-dormitrio devido falta de acessibilidade, saneamento bsico precrio entre outros, o que comum onde existe grande concentrao da populao de baixa renda.

Muitos desses problemas j esto sendo resolvidos, mas persiste o isolamento da regio pela resistncia das grandes empresas em deixar o Centro para se estabelecerem em determinadas Zonas exatamente pela dificuldade de acesso.

Chegamos ao cerne da questo. Transporte coletivo em reas metropolitanas que anda a passo de tartaruga cgado qual seja a denominao que queiram dar. Parou por completo em quase todo o pas h aproximadamente trs (03) dcadas com algumas raras excees, exatamente quando o ritmo da aglomerao caiu drasticamente e o poder pblico teve a chance de diminuir o atraso na implantao da infraestrutura urbana e no o fez.

A partir de ento, vem sendo debatido vrias alternativas de transporte coletivo urbano e interurbano, quais sejam, VLT (Veculo Leve sobre Trilhos), VLP (Veculo Leve sobre Pneus), METR, corredores totalmente segregados, VLT/VLP suspenso ou misto, Trem Bala entre muitas outras ideias, pois a cada dia localidades como So Paulo, Curitiba, Porto Alegre, Belo Horizonte entre outros, tornam-se um grande centro urbano interligado por vrios municpios onde no se pode ter noo de onde comea um e termina o outro se no tiver esse conhecimento ou no estiver com algum equipamento que o demonstre como um GPS, por exemplo.

Pois . Excees parte, nada disso saiu do papel at agora. O que est funcionando em um trecho pequeno e aparentemente a contento o da cidade de So Paulo que inicialmente foi denominado Fura Fila depois Paulisto e finalmente de Expresso Tiradentes e de algumas outras cidades, precariamente.

Como j disse em coluna anterior, transporte coletivo , por excelncia, um tema complicado e de difcil acordo entre as partes envolvidas e interessadas. necessrio pessoal qualificado e interessado, tcnico, cuidado com o meio ambiente, estudo hdrico, topogrfico e de vrios outros rgos que participam da implantao de um sistema grandioso e complexo alm de envolver uma enorme dotao oramentria que muitas vezes no existe ou no est prevista.

A aglomerao est voltando a acontecer em ritmo acelerado e como consequncia, a ocupao do solo, aumento de veculos automotores, poluio, transporte coletivo entre muitos outros itens esto ficando cada vez mais difcil de controlar e organizar. preciso deixar as diferenas polticas de lado e se concentrar em melhorar os setores mais vulnerveis da sociedade.

www.naganuma.com.br Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. Twitter - @mtnaganuma

 

GRANDES CENTROS E OS PEDESTRES

E-mail Imprimir PDF

Dia 21/11/2015 o Dia: do Homeopata, Mundial da Televiso, das Saudaes, Apresentao da Santssima Virgem Maria.

Muito se fala da fluidez do trnsito, congestionamentos e tudo o que relacionado ao movimento dos veculos automotores. Transporte de passageiros em massa, corredores de nibus, pistas segregadas para aumentar a velocidade dos coletivos com consequente diminuio do tempo de viagem e por a vai.


Pouco se fala ou faz em melhorar a mobilidade do pedestre. Os riscos que estes enfrentam no dia a dia com a falta de manuteno das caladas (quando existem), caladas com degraus ou ainda comerciantes espertos que, aproveitando da m qualidade e falta de fiscalizao expe seus produtos e at automveis sobre a calada fazendo com que o transeunte seja obrigado a se arriscar pela pista de rolamento, disputando espao com os automveis e correndo riscos de sofrer algum tipo de acidente.

No existe uma estatstica exata sobre os acidentes que ocorrem, principalmente com idosos, por causa da m conservao ou inexistncia de caladas, mas o fato que o ndice desse tipo de ocorrncia alto.

fato tambm que cada municpio tem legislao prpria para estabelecer regras para construo e conservao do referido espao. No dia 09/01/2012 entrou em vigor, em So Paulo, nova Lei para construo e conservao dos passeios. O que antes era de responsabilidade do proprietrio do imvel, agora passa a ser tambm do locatrio e altera a largura mnima de 0,90m para 1,20m e ainda multas pelo no cumprimento dela. Naturalmente, essa medida ser submetida anlise para as vias j existentes.

H de se notar que em alguns bairros com ruas ngremes, simplesmente impossvel transitar pelo espao reservado ao pedestre tamanho a quantidade de degraus e o desnvel entre eles (muitas vezes superando os 0,50m). Isso se torna mais comum em cidades antigas e sem planejamento onde simplesmente no existe espao definido para quem anda a p.

Trnsito inclui tudo que se movimenta num determinado espao e local. Muito recentemente comeou-se a dar maior nfase ao pedestre, inclusive com campanhas e fechando o cerco com multas para coibir os abusos que acontecem em todas as localidades.

Na cidade de So Paulo, onde a fluidez est cada vez mais catica, os tcnicos da Companhia de Engenharia de Trfego CET tem feito algumas modificaes na geometria para facilitar a travessia dos pedestres que por ali passam e que acabam beneficiando tambm o condutor. Modificaes estas, de baixssimo custo sem obra fsica de grande porte, somente com fixao de cones balizadores e pintura diferenciada conforme filmado e postado pelo meu amigo Barnab tcnico da referida CET, no link a seguir: http://www.youtube.com/watch?v=iQMtPIl5Jrk . Assistam e vero o resultado alcanado.

Como devem ter percebidos por alguns outros artigos meus, sou defensor das obras de baixo custo e grande impacto, substituio de semforos por mini-rotatrias ou rotatrias, implantao de terminais que estabelecem conexo das linhas do transporte coletivo perifrico com a central e muitas outras facilidades que fazem toda a diferena no dia a dia dos usurios, sejam pedestres ou condutores.

O ritmo de crescimento e a diversificao da estrutura urbana que estavam estagnadas at bem pouco tempo, voltou a passos largos e, principalmente os grandes centros precisam de muito planejamento e aes preventivas para suportar o que est por vir, isto , a aglomerao com a consequente ocupao do solo e todas as aes desencadeadas por ela.

Os atores que protagonizam essas mudanas esto, a cada dia, procurando facilidades e rapidez no que diz respeito aos afazeres do dia a dia, isto , maior mobilidade com diversidade e opes para tal. Gestores pblicos de todo o pas, ainda no esto preparados para lidar com as dificuldades que essa aglomerao repentina trouxe. Vale ressaltar que grupos por parte do poder pblico e de alguns rgos privados, esto se reunindo para discutir essa questo para que se possa chegar Copa do Mundo e s Olimpadas, pelo menos com maior tranquilidade para evitar maiores transtornos com relao ao tema.

www.naganuma.com.br Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. Twitter - @mtnaganuma

 

DIA MUNDIAL EM MEMRIA DAS VTIMAS DE TRNSITO

E-mail Imprimir PDF

Dia 14/11/2015 o Dia: Nacional da Alfabetizao, Mundial da Diabetes, do Bandeirante e amanh dia 15/11/2015 o Dia Mundial em Memria das Vtimas do Trnsito em 2015.

A Assembleia-Geral da ONU instituiu o terceiro domingo de novembro como o Dia Mundial em Memria das Vtimas de Trnsito atravs da Resoluo A/60/5/2005 e em 2 de maro de 2010, a mesma Assembleia da ONU proclamou oficialmente o perodo de 2011 a 2020 como a Dcada Mundial de Ao pela Segurana no Trnsito, a fim de estimular o Mundo para iniciar o processo para conter e reverter a tendncia crescente de graves acidentes no trnsito causando fatalidades e deixando sequelas.

Leia mais...
 

DISTRIBUIO DE COMBUSTVEIS

E-mail Imprimir PDF

07/11/2015 o Dia: da Ao Catlica, do Radialista (Consta que numa reunio realizada na Rdio Nacional teria sido decidida a escolha da data do referido decreto Lei, 21 de setembro, como referncia para se comemorar o Dia do Radialista. A confuso de datas teve incio quando o 25 de novembro foi institudo o Dia do Rdio, pelo Marechal Castelo Branco. Essa a data de aniversrio de Roquette Pinto, considerado o pai da radiodifuso Brasileira.Recentemente, mais uma data surgiu, com a Lei n 11.327, de 24 de julho de 2006, que institui o dia 7 de novembro como Dia do Radialista. Proposta pelo deputado federal Sandes Junior (PP/GO), a Lei remete data natalcia do compositor Ary Barroso, autor de Aquarela do Brasil).
Fonte: Professora de Radiojornalismo da UFSM/Cesnors, Dbora Lopez, doutoranda em Comunicao pela Facom/UFBA e mestre em Letras pela Unioeste.

As distribuidoras de combustveis associadas ao Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustveis e de Lubrificantes (BR, Ipiranga, Razen e Ale) fecharam o ano de 2012 com investimento de mais de R$ 1 bilho em infraestrutura para a distribuio de combustveis e derivados e esperam solucionar, por ora, o gargalo logstico que vem ficando maior nos ltimos anos por causa do crescimento do consumo do produto em todo o pas.

Leia mais...
 

CIDADES DO ENTORNO II

E-mail Imprimir PDF

Hoje dia 24/10/2015 o Dia: Mundial do Desenvolvimento, Aniversrio da Cidade de Goinia GO, Aniversrio da Cidade de Manaus AM, das Naes Unidas ou o Dia da ONU, Mundial de Combate Poliomielite, Internacional das Misses, de Santo Antnio Maria Claret.

Dando continuidade ao assunto da matria da semana passada, as cidades que cresceram ou nasceram no entorno dos grandes centros so cidades dormitrios. Populao constituda, na sua grande maioria, por pessoas e famlias que trabalham na cidade sede de governo ou onde se instalaram grandes indstrias gerando emprego e renda.

Leia mais...
 
JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL

Menu

Enquete

Se voc fosse um Gestor Pblico qual dos temas a seguir estaria no topo de suas prioridades?
 

Visitantes Online

Nós temos 31 visitantes online

Espao Cultural